Últimas Notícias

Cursos sobre Cafeicultura encerram eventos do Senar em Viçosa em 2018


Torra e Classificação e Degustação de Cafés foram alguns dos cursos que encerraram a programação do Senar Minas em Viçosa em 2018. Em parceria com o Centro de Excelência do Café das Matas de Minas (CEC) e Emater, respectivamente, os eventos foram oferecidos em conjunto com o Sindicato de Produtores Rurais do município.
No curso de Torra, de três dias, o aprendizado é intenso. De acordo com o instrutor e Q-grader Marcos Reis, o treinamento é voltado para quem já tem conhecimento básico e deseja se aprofundar sobre o assunto e entender mais sobre o produto, oferecendo mais informação também a quem planeja começar a atuar no ramo.

Muito além de compreender o processo e entender o resultado da torra na xícara, por meio do curso do Senar, o aluno entende que é necessário se profissionalizar, segundo o instrutor. “Fazemos uma revisão sobre os defeitos, passamos pela teoria e prática da torra, degustamos todo o café torrado e identificamos e comparamos os perfis de torra”, descreveu.

O treinamento reuniu produtores, filhos de cafeicultores, estudiosos e interessados na área. Os participantes são de Viçosa e de cidades vizinhas. A engenharia agrônoma Clara Glória Oliveira Baldi (foto abaixo) é uma das que buscam abrir uma torrefação.


“A minha relação com o café surgiu ainda como estudante da UFV e agora estou tendo a oportunidade de conhecer mais desse universo, aprendendo como melhorar o aproveitamento da colheita até a xícara, e a torra é uma etapa importante nesse processo”, contou.

Já o curso de Classificação e Degustação de Café ocorreu ao longo de toda a última semana de dezembro. O instrutor Rafael Gustavo Morais de Oliveira abordou temas como a conjuntura econômica e social, qualidade e comércio do café, o papel do classificador de café na cadeia produtiva, a classificação do café por característica do tipo, indicadores de qualidade e por característica da bebida, higiene do ambiente de trabalho e cuidados na colheita e pós-colheita.

Por Nathalie Guimarães, de Viçosa 

Fonte: FAEMG

Nenhum comentário