Últimas Notícias

Curitiba sedia maior evento de pesquisa do setor florestal do mundo



Mais de 2.300 pesquisadores, estudantes e profissionais ligados ao setor florestal em todo o mundo participam, a partir deste domingo, dia 29, do XXV Congresso Mundial da União Internacional de Organizações de Pesquisa Florestal (IUFRO), na Expo Unimed, em Curitiba (PR). Este é o maior evento de discussão técnica e científica sobre o tema e pela primeira vez está sendo realizado em um país da América Latina.

A abertura oficial do congresso será na segunda-feira, dia 30, às 9h30, com a presença de autoridades nacionais e internacionais e com a entrega de prêmios. Antes disso, no entanto, no domingo, já haverá uma cerimônia de plantio de árvores no Jardim Botânico, às 10h, e a abertura do pavilhão de exposições, a partir das 18h.

Com o tema “Pesquisa Florestal e Cooperação para o Desenvolvimento Sustentável”, o congresso terá, ao longo de uma semana, cinco plenárias com palestrantes de renome mundial, 20 subplenárias, 190 sessões técnicas com apresentações de mais de 4 mil trabalhos em forma oral e pôster, 23 excursões técnicas, além de 30 eventos e reuniões paralelas. Toda a programação estará distribuída em cinco temas estratégicos: “Florestas para as Pessoas”; “Florestas e Mudanças Climáticas”; “Florestas e Produtos Florestais para um Futuro Mais Verde”; “Biodiversidade, Serviços Ambientais e Invasões Biológicas”; e “Florestas, Interação com o Solo e Água”.

A programação técnica ocorrerá ao longo do dia, de segunda a quarta, na sexta e sábado. Na quinta-feira os congressistas participarão de visitas técnicas para conhecerem mais sobre o setor florestal brasileiro, sobre projetos conservação e reflorestamento, sistemas produtivos, pesquisas, entre outros.

O XXV Congresso Mundial da União Internacional de Organizações de Pesquisa Florestal (IUFRO) conta com organização local da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Serviço Florestal Brasileiro e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

A programação completa e mais informações sobre o congresso pode ser acessada no site http://iufro2019.com.


Confira os destaques da programação do evento:


SESSÕES PLENÁRIAS

Estão previstas na programação do Congresso cinco sessões plenárias, uma por dia, com cientistas, pesquisadores, professores, estudantes e profissionais do setor florestal para discutir assuntos ligados ao tema central do evento. As plenárias vão acontecer no teatro principal, das 11h às 12h.

Segunda-feira (30/09)

A primeira sessão plenária terá formato de diálogo, com um moderador, um palestrante principal (keynote speaker) e painelistas discutindo “O papel das florestas, dos produtos florestais e dos serviços florestais em um clima em mudança”.

Os debates serão moderados pelo consultor, ex-CEO da WWF Áustria e ex-diretor de Políticas para o Programa de Florestas e Mudanças Climáticas da WWF Internacional, Gerald Steindlegger. O keynote speaker da sessão será Werner Kurz, cientista sênior do Serviço Florestal Canadense. Os três painelistas convidados são Jochen Flasbarth, Secretário de Estado do Ministério do Meio Ambiente da Alemanha; Josefina Braña Varela, do Programa de Florestas e Clima da WWF International; e Thaís Linhares-Juvenal, líder em Economia e Governança Florestal do Departamento de Florestas da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).

Terça (1/10)

Com o tema “Biodiversidade, Serviços Ecossistêmicos e Invasões Biológicas”, a sessão plenária vai explorar questões como: os impactos e a eficácia de diferentes práticas de manejo florestal sobre biodiversidade em áreas protegidas e o manejo comunitário, além de sistemas agroflorestais.

O convidado para conduzir os debates é o líder do programa de Pesquisa para Questões Científicas Internacionais (e próximo presidente da IUFRO), John Parrotta. Os palestrantes serão Suzanne Simard, professora de ecologia florestal na Universidade da Columbia Britânica; e Ivonne Higuero, secretária geral da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Fauna e da Flora Selvagens Ameaçadas de Extinção (Cites) e economista ambiental.

Quarta (2/10)

No terceiro dia, a sessão plenária vai abordar o assunto “Florestas e Pessoas”. Entre as abordagens estarão o bem-estar humano e a qualidade de vida relacionados aos bens econômicos e sociais e serviços ambientais fornecidos pelas florestas, tanto para as populações urbanas como rurais.

Björn Hånell, professor com mais de 40 anos de experiência de pesquisa e ensino na Universidade Sueca de Ciências Agrícolas, será o moderador da sessão. Purabi Bose, antropóloga e especialista em políticas de uso de áreas florestais, e Maria Chiara Pastore Stefano Boeri, diretora de Pesquisa da empresa Stefano Boeri Architetti e professora Associada do Politécnico de Milão, vão discutir o tema.

Sexta (4/10)

“Florestas e Produtos Florestais para um Futuro mais Verde” será o tema da sessão plenária no penúltimo dia do congresso. As questões discutidas vão incluir assuntos como tendências na demanda por produtos florestais tradicionais e inovadores, bens e serviços ecossistêmicos; aumento do uso de madeira na construção civil e outros usos.

A moderadora da sessão será a professora de Política Florestal e Ambiental na Universidade de Freiburg Daniela Kleinschmit. Os debates ficarão por conta do Diretor do Programa de Pesquisa do Grupo Consultivo em Pesquisa Agrícola Internacional sobre Florestas, Árvores e Agroflorestas – CGIAR, Vincent Gitz, e do diretor de Tecnologia Industrial, Inovação, Sustentabilidade e Negócio Celulose da Klabin, Francisco Razzolini.

Sábado (5/10)

As “Interações entre Florestas, Solos e Água” vão nortear as apresentações da última sessão plenária do Congresso. Questões como o consumo de água em plantios florestais em comparação com outros usos da terra, governança e arranjos institucionais relacionados ao manejo de bacias hidrográficas florestadas estão entre as que serão discutidas.

O professor, cientista-chefe em ecologia florestal e vice-presidente da Academia Chinesa de Silvicultura, Shirong Liu, moderará a sessão. Meine van Noordwijk, professor de Agrofloresta na Universidade de Wageningen (Holanda) e Dipak Gyawali, acadêmico da Academia de Ciência e Tecnologia do Nepal serão os debatedores.


SESSÕES SUBPLENÁRIAS

Acontecendo simultaneamente, estão programadas quatro sessões subplenárias por dia, sempre das 14h às 15h, totalizando 20 palestras.

Participarão desses espaços de debates palestrantes do mundo inteiro, com representantes de Brasil, Argentina, Alemanha, Suécia, Suíça, Irã, Áustria, Coréia do Sul, Estados Unidos, Rússia,Holanda, Noruega, Austrália, Inglaterra, Quênia, Índia, Estônia, Dinamarca, Japão, Finlândia, Indonésia, Colômbia, Canadá, Peru, Itália, Polônia, África do Sul, Malawi, Uruguai, Equador, Espanha, Chile, Nepal, Bangladesh, China, França, México, Hungria, República Tcheca, Suriname, entre outros.

Segunda-feira (30/09)

Teatro principal – com moderação de JP Skovsgaard, a sessão vai discutir “Silvicultura próxima à natureza para pessoas, produtos e processos naturais”. O objetivo é apresentar conceitos e discutir tendências e desenvolvimentos para a silvicultura e a pesquisa, com base no conceito de práticas ecológicas.

Pequeno auditório – o moderador será Dr. Eckehard Brockerhoff, e a discussão vai tratar dos “Desafios da saúde florestal decorrentes da globalização e das mudanças climáticas”. O intuito do debate é abordar as condições e a saúde das árvores ao redor do mundo e o que vem colaborando para deterioração delas, como patógenos que causam mortalidade, poluição do ar, mudanças climáticas, entre outros fatores.

Sala 07 (Asa 2) – a subplenária vai discutir o tema “Biodiversidade florestal no quadro das mudanças globais e o papel da paisagem”, com a proposta de mostrar que é preciso ter uma visão holística sobre as florestas como ecossistemas essenciais para manutenção da biodiversidade, já que o entendimento é fundamental para o correto manejo e a avaliação de mudanças no uso da terra que podem aumentar ou diminuir áreas florestais. A moderação dessa sala ficará por conta de João Azevedo e Sandra Luque.

Sala 01 (Asa 3) - nesta sala será realizado o Fórum do Diretor, com o tema “Transferência de conhecimento em ciências florestais como estratégia de manejo”. Sob coordenação do professor Konstantin von Teuffel, a proposta é debater sobre o desafio que enfrentam universidades e instituições governamentais para provarem o valor e a importância da pesquisa. Além disso, a subplenária vai propor a montagem de um conjunto de melhores práticas em atividades de transferência de conhecimento de instituições de pesquisa e universidades.

Terça (1/10)

Teatro principal – com o objetivo de discutir a importância da igualdade de gênero no setor florestal, a primeira subplenária de terça-feira vai tratar do tema “Mulheres e florestas: promover a igualdade de gênero conectando pesquisa, políticas públicas e manejo florestal nos trópicos”, com moderação de Purabi Bose e Ana Euler. A discussão vai tratar do importante papel desempenhado pelas mulheres no manejo florestal, ao mesmo tempo que elas são frequentemente ignoradas nas políticas florestais, recebendo pouco ou nenhum espaço nas instituições. Três participantes vão apresentar seu trabalho na América Latina, Ásia e África, mostrando suas experiências acerca do tema.

Pequeno auditório – Como tema “Adaptação e restauração florestal decorrentes das mudanças globais”, a subplenária visa destacar que as constantes mudanças climáticas vêm exigindo adaptações e restaurações das florestas para garantir integridade, vitalidade e produtividade às florestas. Andreas Bolte e John Stanturf serão responsáveis pela moderação do painel.

Sala 07 (Asa 2)–A sala, que será moderada por Charlotte Lee, vai discutir o tema “Madeira e cultura florestal: abordando um futuro sustentável”, com o objetivo de destacar os diversos valores que regem a madeira e o setor florestal, tanto para produtos florestais madeireiros, como também não madeireiros. As palestras vão trazer os impactos econômicos, ambientais e científicos em diferentes regiões ou países do mundo como resultado desses valores sociais.

Sala 01 (Asa 3) – nesta sala será realizado o Fórum do Comunicador Florestal, que terá Maria DeCristafaro, Jennifer Hayes e Gerda Wolfrum na moderação. O tema será “O Big Bang na Comunicação Florestal”, e o objetivo é apontar as melhorias necessárias na comunicação sobre as florestas para garantir o desenvolvimento sustentável delas, oferecendo informações precisas e de qualidade para facilitar o processo de tomada de decisão.

Quarta (2/10)

Teatro principal - Glenn Galloway e Pia Katila serão moderadores dessa subplenária, que terá como tema “Os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável: seus impactos nas florestas e nas pessoas”. O objetivo dessa sala é destacar as principais conclusões sobre o impacto dos esforços para se alcançar os 17 objetivos sustentáveis nas florestas e nos meios de subsistência relacionados a ela.

Pequeno auditório–com moderação de Pekka Saranpää e tema “Gerenciamento da resiliência do ecossistema florestal e a diversidade biológica e social para futuros produtos florestais”, a subplenária irá discutir – incluindo todos os aspectos da cadeia de produção, além de práticas silviculturais, operações florestais, compras e fabricação - a necessidade de se trabalhar a diversidade como forma de garantir recursos renováveis ​​para os futuros produtos à base de madeira.

Sala 07 (Asa 2)–nesta sala, o debate será acerca do tema “Agroflorestação para serviços de ecossistemas”, com moderação de Shibu Jose. Na subplenária, os palestrantes vão mostrar que os sistemas agroflorestais oferecem grandes promessas para a produção de biomassa para biocombustíveis, culturas especializadas e orgânicas, laticínios e carne de pasto, entre outros, bem como estratégias para sequestro de carbono, enriquecimento do solo, conservação da biodiversidade e melhoria da qualidade do ar e da água, não apenas para os proprietários ou agricultores, mas para a sociedade em geral.

Sala 01 (Asa 3) –o debate nessa sala será sobre as mudanças no setor florestal que, consequentemente, trazem mudanças para a educação florestal. Com o tema “Empregos verdes: o futuro do emprego florestal” e coordenação de Lisa Prior, o intuito da subplenária é debater as oportunidades e desafios para o mercado de trabalho florestal, mostrando como as empresas vêm usando novas ferramentas e tecnologias para acompanhar as mudanças de cultura e de que forma a pesquisa e a educação podem cultivar uma nova geração de recursos naturais, que será fundamental para a proteção das florestas e do clima.

Sexta (4/10)

Teatro principal – O tema principal da subplenária será “Solução de problemas de políticas florestais perversas: lições da prática”, com moderação de William Nikolakis. O objetivo é gerar conhecimento sobre abordagens institucionais que lidam efetivamente com problemas complexos e perversos de políticas florestais. Dessa forma, com informações importantes, pretende-se chegar a caminhos institucionais e soluções para que as florestas possam continuar oferecendo múltiplos benefícios para as comunidades.

Pequeno auditório – Woodam Chung, Andrea Laschi e Enrico Marchi serão os moderadores da sala que vai debater o “Rumo a uma operação florestal sustentável por um futuro mais verde”. Nessa subplenária, o intuito é falar sobre o desafio do setor florestal para se conseguir mais madeira, com menor superfície florestal, sem comprometer as funções ambientais, econômicas e sociais das florestas.

Sala 07 (Asa 2) – Natalia Málaga será a moderadora da sala que vai discutir “Áreas úmidas tropicais, clima e mudanças no uso da terra: desafios e oportunidades”. Abordando questões biofísicas, socioeconômicas e de governança das áreas úmidas para uma conservação e restauração eficazes, a subplenária tem por objetivo gerar um diálogo político-científico e fornecer informações confiáveis para a tomada de decisões sólidas relacionadas ao papel dessas áreas úmidas tropicais nas estratégias de adaptação e mitigação das mudanças climáticas.

Sala 01 (Asa 3) –nessa subplenária serão conhecidos os estudantes premiados na categoria “Inovação e excelência em pesquisas emergentes”, que serão destacados por Sarah Dickson-Hoyle e John Innes. O encontro visa apresentar perspectivas sobre as oportunidades e os desafios para se engajar em pesquisas em ciências florestais.

Sábado (5/10)

Teatro principal–Com o tema “Ecologia política e abordagens integradas da paisagem: complementaridade ou casamento infeliz?” e moderação de Mirjam Ros-Tonen, a sala vai discutir as abordagens integradas de paisagem que apontam para as ameaças relacionadas à degradação florestal, perda de serviços ambientais, segurança alimentar e mudanças climáticas, chegando a resultados negociados de processos de várias partes interessadas em preocupações comuns. Como as políticas de governança de paisagem negociada ainda permanecem subexpostas, a sessão vai explorar a interface entre ecologia política e essas abordagens de forma conceitual e empírica.

Pequeno auditório- Paraskevi Alizoti, Barbara Fussi, Hojka Kraigher e Marjana Westergren farão a moderação da sala que vai tratar do tema “Árvores em movimento: mudanças de faixa, potencial de adaptação genética e migração assistida”. A subplenária discutirá o progresso e as promessas da pesquisa em genética florestal para avaliar a variação genética de populações marginais, suas alterações ao longo do tempo e a probabilidade de extirpação, a fim de alcançar as decisões mais adequadas para conservação e manejo.

Sala 07 (Asa 2) – fechando a programação de subplenárias, a sessão terá como tema principal “Silvicultura climática inteligente ou como integrar adaptação, mitigação e manejo florestal sustentável”, com moderação de Donald Hodges e Jean-Luc Peyron. A discussão pretende destacar a importância de se considerar a adaptação e a mitigação das mudanças climáticas ao planejar o manejo florestal; pensar no nível integrado do manejo florestal sustentável, a fim de avaliar as consequências das decisões de manejo em qualquer serviço ou risco ao ecossistema florestal; discutir a contribuição da floresta na solução dos problemas causados ​​pelas mudanças climáticas em comparação com a contribuição de outros setores; ilustrar as apresentações com bons estudos de caso; e identificar mensagens para tomadores de decisão no setor florestal ou fora dele.

CERIMÔNIAS

A primeira atividade oficial do IUFRO 2019 vai acontecer no dia 29 de setembro, a partir das 10h, com o plantio de árvores no Jardim Botânico de Curitiba. São esperados na cerimônia o governador do Estado, Carlos Massa Ratinho Junior, o prefeito de Curitiba, Rafael Greca de Macedo, entre outras autoridades. Ainda nesse dia, na parte da tarde, das 17h30 às 20h, será aberta oficialmente a área de exposições do Congresso, na Expo Unimed Curitiba. Das 13h30 às 16h, os participantes podem aproveitar para concluir suas inscrições e pegar os materiais do evento.

Na segunda-feira, 30 de setembro, a programação do IUFRO começa com a cerimônia de abertura, que inclui o Prêmio de Reconhecimento Científico IUFRO e Prêmio de Reconhecimento Científico Brasil. Nesse ato, está prevista a presença de autoridades nacionais e internacionais. Ainda no dia 30, acontece a entrega do Prêmio Wangari Maathai, das 18h às 18h30, e a cerimônia de boas-vindas, das 19h às 21h30.

Para fechar o maior evento de pesquisa florestal do mundo, será realizado um jantar de despedidas no dia 4 de outubro, sexta-feira, e a cerimônia de encerramento está marcada para o sábado, 5 de outubro, das 16h às 17h30.

SESSÕES TÉCNICAS

O IUFRO 2019 tem como tema central “Pesquisa florestal e cooperação para o desenvolvimento sustentável”. Mas, dentro desse assunto principal, foram definidos cinco subtemas: Florestas para as Pessoas; Florestas e mudanças climáticas; Florestas e produtos florestais para um futuro mais verde; Biodiversidade, serviços ecossistêmicos e invasões biológicas; e Florestas, interações com solos e água.

Na programação, além das plenárias e subplenárias, os organizadores do evento também acrescentaram 190 sessões técnicas, que atendem aos cinco temas do Congresso, com apresentações orais e sessão pôster. Essas sessões acontecem de segunda a sábado, das 08h30 às 10h30 e das 15h30 às 17h30.

Os temas podem ser conferidos no site do evento: http://iufro2019.com/pb/sessoes-tecnicas/

EXCURSÕES TÉCNICAS

Para aproveitar a presença de pesquisadores do mundo todo no Brasil, a programação do IUFRO 2019 vai trazer, ainda, uma série de excursões para que os participantes possam conhecer o que está sendo feito no país no assunto. Dentre as opções, estão empresas florestais, comunidades tradicionais ou instituições de pesquisa. Estão previstas 23 visitas, que mostram florestas plantadas, processos industriais, florestas e vegetações nativas, parques e áreas urbanas, pesquisa florestal, ensino e sistemas de produção. As atividades vão acontecer na quinta-feira, dia 3 de outubro, das 7h30 às 17h30.


EVENTOS PARALELOS – SIDE EVENTS

Diariamente, a programação do Congresso traz também os eventos paralelos, que têm por objetivo discutir, no formato de mesa redonda, assuntos ligados aos temas principais do encontro. Serão 30 sessões paralelas, distribuídas de segunda a quarta e de sexta a sábado, das 12h às 14h e das 17h30 às 19h.

Segunda-feira

- Uso da terra: planejando paisagens sustentáveis (12h às 14h)

- Código Florestal Brasileiro (12h às 14h)

- Parcerias institucionais para alcançar a agenda de desenvolvimento sustentável prevista até 2030 (12h às 14h)

- Encontro da Universidade de Freiburg (12h às 14h)

- Prêmio Wangari Maathai (18h às 18h30)

- Cooperação para sustentabilidade: declarações dos parceiros-chave do IUFRO (18h30 às 19h)

Terça-feira

- Modelos alternativos e decisões robustas para o futuro do manejo florestal (12h às 14h)

- Biomas (12h às 14h)

- Adaptação e restauração florestal com relação às mudanças climáticas (12h às 14h)

- Projeto de restauração de paisagens da Amazônia brasileira (12h às 14h)

- Criando parcerias para desenvolver o bioma do Cerrado (12h às 14h)

- Workshop sobre publicações em veículos de comunicação internacionais (12h às 14h)

- Integração lavoura-pecuária-floresta no Brasil (12h às 14h)

- Implementação de programa de restauração de paisagem florestal (17h30 às 19h30)

Quarta-feira

- Florestas e ODS: experiências e perspectivas (12h às 14h)

- Trabalho em conjunto: o que as redes regionais de comunicadores florestais podem fazer por você? (12h às 14h)

- Pesquisas e oportunidades de financiamento na Alemanha (12h às 14h)

- Florestas e sociedade para 2050 - um dilema para o modelo nórdico (12h às 14h)

- Pesquisa sobre floresta, árvores e agrosilvicultura do Grupo Consultivo de Pesquisa Agrícola Internacional: quais as prioridades para o futuro? (12h às 14h)

- Biomas (12h às 14h)

- Posse da floresta, performance sustentável e governança inovadora: conectando os pontos de pequenos proprietários à perspectiva de governança (12h às 14h)

- Iniciativas de jovens cientistas (13h às 14h)

- Restauração tropical: podemos ter isso? Troca de experiências entre produção, mitigação de mudanças climáticas e biodiversidade (12h às 14h)

- Desenvolvimento de uma plataforma para o futuro de uma floresta resiliente (12h às 14h)

- Co-criação de uma colaboração durável entre IUFRO e WWF (17h30 às 19h30)

Sexta-feira

- Paineis globais de especialistas em florestas – apoio da ciência para tomada de decisão (12h às 14h)

- Produção sustentável de carvão – melhores práticas (12h às 14h)

- Mecanismo de educação florestal Ásia-Pacífico (12h às 14h)

- Painel sobre manejo e conservação da Araucária (12h às 14h)

Sábado

- Rede de pesquisa florestal da África subsaariana (12h às 14h)

- Mesa redonda sobre manejo e conservação da Araucária – planejando o futuro (12h às 14h)

Acompanhe o Congresso pelas Redes Sociais

Instagram: @iufro2019
Facebook
Youtube.com/embrapa
Fotos: iufro.fotop.com.br

Gabriel Faria (mtb 15.624 MG)
Embrapa Florestas

Nenhum comentário