Base de dados Satélites de Monitoramento é atualizada na quinta edição

 


A base de dados Satélites de Monitoramento, mantida pela Embrapa Territorial, reúne informações sobre as principais missões, satélites e sensores utilizados na pesquisa agrícola e ambiental. Em sua quinta edição, apresenta textos, figuras, tabelas e mapas que ilustram, a partir de uma interface de fácil acesso, os principais instrumentos de sensoriamento remoto.

No site, disponível também no Portal da Embrapa Territorial, em Páginas Temáticas, os usuários têm acesso aos históricos sobre as missões, as principais características e a vida útil dos satélites e sensores (em formato de tabelas), as principais aplicações dos sensores e seus produtos em agricultura e meio ambiente.

Lançado em 2000, esse ambiente tem o objetivo de contribuir na disseminação de informações geoespaciais, por meio de dados e informações orbitais. Desde então, é um dos mais acessados da Embrapa Territorial. Em 2019, o número de usuários foi de 41.118, representando um aumento de 21.9% em relação a 2018. A quantidade de visualizações do site chegou a 109.562, mais 8% do que no ano anterior.

O acesso ao site, mensurado pela ferramenta Google Analytics, e o número de demandas recebidas no Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC) foram alguns dos critérios de seleção para atualização da base de dados. “O trabalho de atualização do Satélites de Monitoramento foi um esforço em prol do usuário, especialmente quando nos referimos no que se refere à qualidade informacional, disponibilizando dados da atualidade e com revisão criteriosa”, afirma Daniela Maciel, analista da área de Transferência de Tecnologia.

Para a pesquisadora Cristina Criscuolo, a atualização do site é essencial para acompanhar o dinamismo do mercado de observação da terra, em que alguns satélites deixam de operar, e outros são lançados com diferentes objetivos e habilidades. Entre a versão anterior (2013) e a atual, algumas missões espaciais foram reativadas como, por exemplo, o CBERS e o ALOS, enquanto outras se tornaram inativas, como IKONOS e QUICKBIRD.

“Outras missões, ainda, contaram com o lançamento de dezenas de novos satélites (IRS por exemplo), além de outras que surgiram ou se fortaleceram no mercado brasileiro (SENTINEL, DUBAISAT, DEIMOS, EARTH OBSERVING, KAZEOSAT) e precisaram ser incluídas na base”, completa Criscuolo, coordenadora da equipe responsável pela atualização do site. 

Conhecendo o site

No site do banco de dados Satélites de Monitoramento, o usuário pode escolher iniciar sua pesquisa, clicando em Missões, Satélites ou Sensores. No primeiro ícone, encontrará uma listagem de mais de 30 missões. Em cada uma, há informações sobre objetivo, data de lançamento, características dos satélites, principais sensores, aplicações e links para consultar as fontes de pesquisa.

Para cada satélite, são informadas a instituição responsável, a data exata e o veículo (foguete) do lançamento, a altitude em que está posicionado na órbita terrestre e a forma de aquisição de imagens.  Pode-se, ainda, verificar os satélites que já foram utilizados na agricultura (os inativos) e o que estão em atividade (ativos).

Sobre cada um dos sensores, também são enumeradas as principais características e aplicações em pesquisas relacionadas a agricultura e meio ambiente. É possível conhecer os sensores ópticos e sensores radares utilizados na agricultura.

A base de dados inclui exemplos de imagens geradas pelos sensores e relaciona trabalhos já realizados pela Embrapa Territorial com esses recursos. Essas imagens são largamente utilizadas para compreensão e gestão da agropecuária, bem como na área ambiental. São recursos essenciais na elaboração de zoneamentos, mapeamentos e monitoramentos do uso e da cobertura das terras, além de indicadores de sustentabilidade e competitividade.

A partir do site, o usuário também pode acessar outras bases de dados da Embrapa. No menu Dados Espaciais, tem acesso à plataforma de Infraestrutura de Dados Espaciais da Embrapa (GeoInfo) e em Publicações, à Base de Dados da Pesquisa Agropecuária (BDPA).

Liliane Castelões (16.613 MTb/RJ)
Embrapa Territorial

Comentários

Mais vistas da semana

No Maranhão extrativistas da amêndoa de babaçu recebem mais R$ 450 mil em subvenções

Cafés do Brasil obtêm Denominação de Origem para a Mantiqueira de Minas

Cebola e batata ficam mais baratas nos principais mercados atacadistas

GEDAVE – O que é, como funciona e pontos de atenção da etapa de Cadastro

Programa de melhoramento de bovinos de carne adota critérios mais objetivos e amplia análise de rebanhos