Embrapa lança cultivar de arroz para áreas de sequeiro

 

A cultivar BRS A 502 é uma ótima alternativa para o cultivo de arroz de terras altas, principalmente em área sob agricultura intensiva.

A Embrapa e parceiros lançaram a cultivar de arroz BRS A502, indicada para o cultivo em áreas de sequeiros em terras altas nos estados do Maranhão, Pará, Rondônia, Piauí, Goiás e Mato Grosso. A cultivar possui como destaque a tolerância ao acamamento e à brusone e a alta estabilidade de rendimento de grãos inteiros, o que permite ao produtor maior flexibilidade na colheita. Essas características, associadas ao alto potencial produtivo e à excelente qualidade industrial e culinária de grãos, fazem da BRS A502 uma excelente opção para sistemas de produção de grãos e de renovação de pastagens. A cultivar encontra-se inscrita no Registro Nacional de Cultivares (RNC), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), sob o nº 39.138. 

Para Isabela Furtini, pesquisadora da Embrapa Arroz e Feijão que trabalha no Programa de Melhoramento Genético de Arroz, a cultivar tem apresentado excelente desempenho em solos bem corrigidos, de alta fertilidade, e também em áreas irrigadas, sob pivô central. Ela acrescenta ainda que a BRS A502 possui produtividade média de quatro toneladas por hectare, mas com potencial produtivo de até nove toneladas. “Isso demonstra o grande potencial genético da cultivar, pois, se o ambiente for favorável e existirem boas condições de manejo, altas produtividades podem ser alcançadas”, afirmou Isabela. 

Guilherme Abreu, pesquisador da Embrapa Cocais, participou da condução de experimentos de Valor de Cultivo e Uso (VCU) da cultivar. Segundo ele, espera-se que essa cultivar seja amplamente utilizada em áreas de terras altas, substituindo cultivares mais antigas que possuem problemas de acamamento. O pesquisador também acredita que a nova cultivar contribuirá para o fortalecimento da cadeia produtiva do arroz de terras altas, oferecendo ao produtor mais segurança para obtenção de altas produtividades e maior rendimento de grãos inteiros por hectare, além de propiciar aos consumidores mais exigentes um produto de melhor qualidade.

O pesquisador Mábio Lacerda, da Embrapa Arroz e Feijão e especialista em manejo de sistemas agrícolas, apontou a necessidade de observar o controle de plantas daninhas para a obtenção de boas produtividades com a BRS A502. “Para a implementação dessa cultivar, devemos ficar atentos, principalmente, ao manejo correto das plantas daninhas no desenvolvimento inicial da lavoura. Esse manejo deve ser realizado, mantendo a cultura no limpo, aproximadamente, 30 dias após a semeadura. Fazendo esse manejo correto, sem a interferência das plantas daninhas, ter-se-á grandes chances de se obter êxito e boas produtividades”, destacou. Ele complementou que outro aspecto importante a ser levado em consideração pelo agricultor que for plantar a BRS A502 é em relação ao espaçamento entrelinhas. “Em nossas pesquisas, nós chegamos à conclusão que o espaçamento ideal é entre 20 a 35 centímetros”, finalizou.

Segundo Carlos Santiago, especialista da Embrapa Cocais, no município de Chapadinha, estado do Maranhão, a cultivar obteve média de 5.500 kg por hectare em sistema de terras altas. “A BRS A502 é uma cultivar que pode ser utilizada em diversas condições de cultivo, incluindo a rotação e a sucessão de culturas em áreas sob agricultura intensiva (terras velhas) nas principais regiões produtoras do Brasil, inclusive se comportando muito bem em ambiente de agricultura familiar no estado do Maranhão”.  

Além de boas projeções para o desempenho na lavoura, a expectativa da Embrapa é que a BRS A502 traga ainda resultados bastante promissores para as cerealistas e empacotadoras de arroz. Rodrigo Sérgio, especialista de Transferência de Tecnologia da Embrapa,  considera que a cultivar possui características atrativas. “Nós já fizemos testes de indústria, em torno de 100 toneladas da BRS A502, e a aceitação foi excelente: alto rendimento de grãos inteiros;  o material praticamente não apresenta gessamento, é translúcido, solto e é o mais macio do nosso portfólio. Com certeza, a qualidade dos grãos se enquadrará no gosto do consumidor como uma luva”, avaliou Rodrigo Sérgio.

No que diz respeito às sementes, o produtor rural já poderá contar com a BRS A502 na safra de verão. “Nós temos cinco licenciados produzindo sementes e estas serão disponibilizadas no mercado em setembro e outubro deste ano. Então, o produtor já pode, sim, comprar esse material e verificar a alta qualidade dele”, disse o analista da Embrapa.

Saiba e onde encontrar sementes da nova cultivar:

https://www.embrapa.br/arroz-e-feijao/busca-de-solucoes-tecnologicas/-/produto-servico/5061/arroz---brs-a502

Rodrigo Peixoto (MTb/GO 1.077)
Embrapa Arroz e Feijão e Embrapa Cocais

Flávia Bessa (MTb 4469/DF)
Embrapa Arroz e Feijão e Embrapa Cocais

Comentários

Mais vistas da semana

GEDAVE – O que é, como funciona e pontos de atenção da etapa de Cadastro

No Maranhão extrativistas da amêndoa de babaçu recebem mais R$ 450 mil em subvenções

Cafés do Brasil obtêm Denominação de Origem para a Mantiqueira de Minas

Cebola e batata ficam mais baratas nos principais mercados atacadistas

Conab realiza pesquisa para os próximos levantamentos de grãos e café em Minas Gerais