EPAMIG promove dia de campo virtual sobre Suinocultura


Evento, no dia 21 de agosto, vai discutir atividade na região Central de Minas

A Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais, por meio do Instituto Técnico de Agropecuária e Cooperativismo (EPAMIG/ITAC) realiza no dia 21 de agosto, sexta-feira, um dia de campo virtual sobre Suinocultura. O evento, em parceria com a Granja Pôr do Sol, vai discutir as condições da atividade na região Central de Minas.  As atividades, compostas por com quatro palestras técnicas, terão início às 13h. As inscrições gratuitas podem ser feitas pelo site.

A suinocultura, assim como a avicultura, possui grande relevância econômica para as regiões Central e Centro-Oeste de Minas Gerais, onde se localizam várias granjas. Atualmente, o mercado está aquecido pelas exportações, o que aumenta a procura por técnicos especializados na área. Ainda que não possua pesquisas com foco na atividade, a EPAMIG contribui para o setor com a formação de mão-de-obra qualificada, por meio do curso técnico oferecido pelo ITAC em Pitangui.

“Além de ser muito importante para a geração de trabalho e de renda, a suinocultura nessa região é e referência pela carne de qualidade. Como temos vários ex-alunos atuando em diversos segmentos da área (venda de equipamentos, nutrição, mercado, genética, até em outros países, como o Canadá) os alunos atuais estão com bastante interesse no tema”, revela a pesquisadora Ana Júlia Rezende, professora do Curso Técnico em Agropecuária e Cooperativismo do ITAC.

Ana Júlia, que possui Mestrado em Medicina Veterinária, será uma das palestrantes do dia de campo, que contará também com a participação do técnico em Agropecuária, formado pelo ITAC, Rodrigo Trindade e de Douglas Soares e Cristiano Rodrigues, respectivamente, veterinário e gerente da Granja Pôr do Sol.

Dia de Campo de suinocultura

A professora conta que, embora seja aberto para o público em geral, o evento será contabilizado como atividade acadêmica para os estudantes matriculados na disciplina Zootecnia II. “Ao final, os alunos terão que fazer um relatório com o parecer técnico individual, no qual serão englobadas perguntas sobre genética, manejo, reprodução, instalações, nutrição, mão-de-obra, sanidade, mercado e dados zootécnicos da granja”, destaca Ana Júlia, relembrando que o Ambiente Virtual de Aprendizado (AVA) tem sido utilizado para permitir a continuidade das aulas, no período da pandemia.

Comentários

Mais vistas da semana

GEDAVE – O que é, como funciona e pontos de atenção da etapa de Cadastro

Cafés do Brasil obtêm Denominação de Origem para a Mantiqueira de Minas

Cebola e batata ficam mais baratas nos principais mercados atacadistas

No Maranhão extrativistas da amêndoa de babaçu recebem mais R$ 450 mil em subvenções

Embrapa oferta material propagativo de mandiocas de indústria para o Brasil Central