Maratona de Inovação gera 32 soluções para os desafios do Agro no interior de Pernambuco

Após dez dias de intenso trabalho, chegou ao fim o Desafio Garoa no Campo #Inovação, maratona de ideação de soluções para o setor agropecuário no interior de Pernambuco. Foram 32 projetos entregues, com premiação para as cinco melhores soluções ligadas aos desafios das principais cadeias produtivas do Estado: fruticultura, bovinocultura, horticultura, caprinovinocultura e avicultura.

A próxima etapa, denominada Garoa no Campo #Imersão, será um programa de qualificação empreendedora de 15 semanas, com foco na modelagem de projetos e validação de soluções.  As 15 melhores equipes participantes da primeira fase (Garoa no Campo #Inovação) terão a oportunidade de lapidar as ideias propostas, com potencial de firmar parcerias para codesenvolvimento dos projetos junto ao setor produtivo.  As demais equipes e outros interessados poderão passar por um novo processo seletivo para participação. 

Segundo o CEO do Habitat de Inovação Garoa e organizador do evento, José Augusto Branco, a iniciativa superou todas as expectativas e trouxe um balanço mais que positivo, com a certeza de que investir em inovação é o futuro para o desenvolvimento do agro no interior de Pernambuco. ‘Foi uma experiência enriquecedora para todos. As equipes trabalharam incansavelmente nos desafios, com foco e motivação. Muitos grupos utilizavam a madrugada para reuniões, pesquisas e construção de projetos’, relata.

Além do engajamento dos 160 participantes provenientes de várias cidades do eixo agreste/sertão, divididos em 40 times, José Augusto ressalta a grande rede de apoio e mentorias, que contou com 37 instituições do setor produtivo, educacional e de pesquisa agropecuária, 10 coordenadores de inovação, além da corealização da Embrapa Semiárido, Sebrae Pernambuco e Thinkr - Plataforma de EAD . Para ele, o diferencial do evento foi justamente essa diversidade de atuação entre os atores e, principalmente, o propósito em comum: desenvolver o cenário socioeconômico do interior do Estado.

Networking e aproximação com o setor produtivo

Os profissionais e estudantes que participaram da primeira etapa do Desafio também compartilharamm esse sentimento e destacaram o intenso aprendizado adquirido por meio da programação de mentorias, que trouxe nomes de peso do ecossistema de inovação nacional e contribuição técnica de pesquisadores de quatro unidades da Embrapa (SemiáridoMandioca e FruticulturaGado de Leite e Suínos e Aves).

Para Edmundo Gomes, integrante da equipe que propôs a solução ‘Irrigue Certo’, vencedora na cadeia da fruticultura, a oportunidade de reunir pessoas de diferentes áreas para explorar problemas reais do campo, interagir e discutir com diferentes visões de mundo ‘permitiu identificar problemas relevantes e que muitas vezes podem ser resolvidos de maneira simples. Além também de criar um networking importante para futuros projetos’, diz.

A solução ‘Irrigue Certo’ trouxe a cincepção de auxiliar o produtor no manejo dos recursos hídricos, indicando a quantidade ideal de água a ser usada durante a irrigação. ‘A agricultura é uma das atividades que mais consomem água e também uma das que mais desperdiça. Para obter sustentabilidade é preciso buscar soluções que minimizem esses impactos e que ainda tragam maior produtividade’, observa Edmundo.

Renata Cavalcante, do grupo que desenvolveu a solução vencedora ‘Caminho da Roça’, na área da Horticultura, ressalta a importância de idealizar um projeto que efetivamente contribuía com os agricultores e possa melhorar a qualidade de toda uma cadeia regional.

Essa conexão com as demandas do setor produtivo também foi a motivação do participante João Pedro Ferreira, de Garanhuns. ‘Foi uma das primeiras experiências que tive com uma maratona de ideação, um misto de aprendizado, superação e companheirismo. Tivemos a oportunidade de conhecer pessoas incríveis e ter um networking interessante com outras áreas’, relata.

Para a supervisora do Núcleo de Inovação da Embrapa Semiárido, Daniela Campeche, todas essas experiências tiveram um papel essencial e muito importante para a construção e desenvolvimento do ecossistema de inovação de forma orgânica no interior pernambucano.  

‘Um ecossistema de inovação é formado por várias entidades, empresas e parceiros, que são como seres vivos dentro desse ambiente. É muito importante esse engajamento e união, com todos trabalhando de forma conjunta, codesenvolvendo e cooperando para geração de inovação tecnológica no Agro.  Com certeza o Desafio Garoa no Campo #Inovação foi um grande marco, um divisor de águas para a consolidação desse ecossistema para o setor agropecuário no interior de Pernambuco, completa.

O que foi o Garoa no Campo #Inovação para você?

Para mais informações, acesse o Instagram do Garoa: @garoahabitat

Clarice Rocha (MTb 4733/PE)
Embrapa Semiárido

Comentários

Mais vistas da semana

GEDAVE – O que é, como funciona e pontos de atenção da etapa de Cadastro

No Maranhão extrativistas da amêndoa de babaçu recebem mais R$ 450 mil em subvenções

Cafés do Brasil obtêm Denominação de Origem para a Mantiqueira de Minas

Cebola e batata ficam mais baratas nos principais mercados atacadistas

Conab realiza pesquisa para os próximos levantamentos de grãos e café em Minas Gerais