Pesquisa seleciona cultivares de brócolis com capacidade de resistência à podridão negra

 

A instalação de experimentos que avaliaram o comportamento de cultivares de brócolis com relação à doença podridão negra, causada pela bactéria Xanthomonas campestris pv campestris, contabilizam resultados bastante promissores para o cultivo da hortaliça na região do Distrito Federal. Considerada como um fator limitante da produção de brócolis, a podridão negra tem se mostrado relevante nos cultivos em verões quentes e chuvosos. 

“Se associada a cultivares que não sejam adaptadas a temperaturas acima de 30ºC, a ocorrência dessa e de outras doenças pode causar perdas de até 100% da produção”, explica o pesquisador Raphael Melo, que conduziu os experimentos na Embrapa Hortaliças (Brasília-DF) juntamente com a pesquisadora Alice Quezado. Nesse quesito, Melo chama a atenção para a inexistência de produtos de proteção fitossanitária, registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), específicos para esse alvo em brócolis ou outras brássicas. Segundo ele, isso reforça a necessidade da adoção de medidas pautadas na prevenção e no manejo.              

Na mesma linha de abordagem, Quezado assinala que muitas vezes a informação sobre o desempenho de uma cultivar - que já está no mercado - com relação a determinada doença não é conhecida. “Esse é o caso das variedades de brócolis disponíveis no mercado brasileiro e a podridão negra”, pontua a pesquisadora, que destaca o papel da FAPDF na obtenção dos resultados a partir da aprovação do projeto “Desenvolvimento de estratégias de manejo da podridão negra em cultivos no Distrito Federal” no Edital 03/2016.

BOLETIM DE P&D

O trabalho desenvolvido pelos dois pesquisadores é explicitado no Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento 200, já disponível para download pelo link https://bit.ly/31I7yxd. A publicação registra que nesse processo foram avaliadas seis cultivares híbridas de brócolis de inflorescência única e dois híbridos experimentais quanto à reação para a podridão negra e à aptidão para comercialização no Distrito Federal.

Oito cultivares de brócolis foram avaliadas em casas de vegetação e em condições de campo, por meio de inoculação artificial da bactéria. Entre elas, mereceram destaque a Salinas e BC1691 “pela estabilidade dos índices de severidade da doença e pela capacidade produtiva para os cultivos de verão-outono na região”.

“O trabalho que resultou nesse Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento pode auxiliar na escolha de cultivares adaptadas e que apresentaram algum grau de resistência”, considera Melo, para quem “o foco nessa doença e nos períodos de cultivo como objetivos do projeto visam possibilitar maior rentabilidade aos agricultores”.

“O volume de produção de brócolis é menor e os preços pagos no kg são maiores nesse período de verão, ou seja, quem conseguiu uma produção de qualidade nos meses de verão pode vir a lucrar mais, portanto a escolha da cultivar é fundamental”, sentencia.

Anelise Macedo (MTB 2.749/DF)
Embrapa Hortaliças

Comentários

Mais vistas da semana

No Maranhão extrativistas da amêndoa de babaçu recebem mais R$ 450 mil em subvenções

Cafés do Brasil obtêm Denominação de Origem para a Mantiqueira de Minas

Cebola e batata ficam mais baratas nos principais mercados atacadistas

GEDAVE – O que é, como funciona e pontos de atenção da etapa de Cadastro

Programa de melhoramento de bovinos de carne adota critérios mais objetivos e amplia análise de rebanhos