PronaSolos une instituições em busca do melhor conhecimento do solo nacional

 


Os membros dos comitês estratégico e executivo do Programa Nacional de Levantamento e Interpretação de Solos no Brasil (PronaSolos) foram empossados dia 26 de agosto. O Programa engloba dezenas de instituições e tem como missão revolucionar o conhecimento sobre os solos brasileiros, mapeando todo o território nacional, em escalas que vão de 1:25.000 a 1:100.000, até 2048. 

Já no dia 10 de setembro esses integrantes dos comitês se reunirão para definir a agenda de trabalho do programa até dezembro. Na pauta estão definições sobre o projeto plataforma tecnológica, orçamento financeiro, formação de recursos humanos e definição das comissões executivas regionais e estaduais.

O coordenador do PronaSolos no Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, Pedro Alves Corrêa Neto, tem orgulho do Programa. “Temos a honra de conduzir e entregar para a sociedade brasileira um dos projetos mais estruturantes em andamento no país, o mapeamento de solos do Brasil. A terra é um dos maiores recursos naturais de qualquer país e conhecê-la é uma vantagem estratégica, seja para agricultura, mineração, energia, infraestrutura ou defesa. Convidamos todos a participarem e acompanharem essa grande ação para a ciência, gestão e preservação do solo do Brasil!”

A importância do PronaSolos é reconhecida também pelo Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, na figura da assessora técnica Marisa Pereira de Faria. “Avaliamos o Programa cooperativo como essencial ao desenvolvimento sustentável do país, ao possibilitar o mapeamento da terra brasileira e sua efetiva governança, contribuindo para a convergência dos interesses institucionais, garantia da estabilidade social e, consequentemente, da soberania e segurança nacional.”

Uma atividade de tamanha envergadura como o PronaSolos não poderia deixar de contar com a capilaridade do IBGE, como enfatiza o diretor de geociências da instituição, João Bosco. “O trabalho é um projeto nacional, que busca otimizar os recursos públicos para a produção de dados sobre os solos, conhecimento fundamental para o desenvolvimento nacional. O IBGE, como instituição pública provedora de dados sobre o País, nas suas vertentes de estatística e geográfica, tem a honra de participar do Pronasolos e poder contribuir com sua experiencia na produção e disseminação de dados sobre os recursos naturais do Brasil. Os desafios são muitos, porém as instituições parceiras, com suas equipes técnicas e conhecimentos adquiridos ao longo dos últimos anos, se empenharão para o sucesso do projeto.”

O programa reunirá atividades de investigação, documentação, inventário e interpretação de dados da terra brasileira para gestão desse recurso e sua conservação. São informações fundamentais para inúmeras áreas que vão de mudanças climáticas e recursos hídricos a seguro rural e telecomunicações.

“Considero muito importante a participação e contribuição do Ministério de Minas e Energia no Comitê Estratégico do PronaSolos, integrando o conhecimento sobre os recursos minerais nacionais. O conhecimento de nossa geodiversidade, da formação dos solos e seu detalhamento por região é fundamental para o planejamento do uso e ocupação do solo e a preservação ambiental em escala local, regional e nacional. Essa realização colaborativa  amplia as possibilidades de sucesso de um Programa importante para as atividades produtivas agrícolas, a conservação  dos solos e, ainda, base para o planejamento territorial”, disse Enir Sebastião Mendes, diretor de Transformação e Tecnologia Mineral, da Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral do MME. 

Busca por dados em melhor escala

A falta de informações detalhadas sobre os solos brasileiros é um problema para o desenvolvimento do País, uma vez que a terra é um recurso natural de suma importância para a vida no planeta, sendo a base para a produção de alimentos, fibras e energia, para a adaptação às mudanças climáticas e a prestação de serviços ambientais. “Nesse sentido, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações está inserido no PronaSolos para contribuir com a melhor ciência disponível na geração de conhecimento pela pesquisa, documentação e interpretação dos dados de solos nacionais, criando assim subsídios para as políticas públicas que se beneficiem da utilização dessas informações", afirmou Fabio Donato Soares Larotonda.

A avaliação da potencialidade dos solos com base em uma representação em escalas pequenas, como nos mapas de solos do Brasil e dos estados, não permite expressar a importância dos solos brasileiros, seja para a segurança alimentar ou para a preservação de ecossistemas, essenciais à vida humana no planeta, como a Amazônia e o Pantanal.

“Nesse sentido, se insere o PronaSolos”, diz Lúcia Helena Cunha dos Anjos, presidente da Sociedade Brasileira de Ciência do Solo e integrante do Comitê Executivo. “Na busca desse conhecimento, várias instituições se associam, dentre elas a SBCS. A Sociedade congrega cientistas de solo, de várias formações e instituições, com destaque para as universidades públicas, sem as quais a geração de pesquisa básica e aplicada no país, nos programas de pós-graduação, não teria alcançado a posição de destaque, no mundo, em relação aos solos tropicais. Com a contribuição das universidades, pela geração de ciência e capacitação de pessoal, em vários níveis, e em parcerias com a Embrapa e muitas outras instituições, esse conhecimento se transforma em tecnologia e inovação.”

Uma dessas instituições é a Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), que disponibilizará uma equipe de pesquisadores e sua infraestrutura para a realização de diversas atividades do programa em Minas Gerais, sendo previsto, já na etapa de curto prazo (um a quatro anos) do PronaSolos, o mapeamento dos solos dos campos experimentais da empresa.

Já a Diretoria de Serviço Geográfico do Exército focará sua participação em mapear a construção de uma base cartográfica de referência nas escalas 1:25.000, 1:50.000 e 1:100.000, que será alicerce para o Mapa de Solos e o Sistema de Informação de Solos Brasileiros.

Segundo representantes do Ministério do Desenvolvimento Regional e do Ministério do Meio Ambiente é justamente a presença de tantas instituições de referência que torna o trabalho estratégico para consolidar a agenda de desenvolvimento 

Carlos Dias (22.395 MTb. RJ)
Embrapa Solos

Comentários

Mais vistas da semana

GEDAVE – O que é, como funciona e pontos de atenção da etapa de Cadastro

Embrapa lança cultivar de arroz para áreas de sequeiro

Aprenda a controlar pragas que atacam limoeiros

Qual o melhor herbicida para pastagens?

Galinhas caipiras poedeiras: a avicultura adaptada a pequenas propriedades é negócio rentável e com mercado promissor