Sorgo BRS 716 possui elevado potencial para a geração de energia


A cultivar de sorgo BRS 716, desenvolvida pela Embrapa Milho e Sorgo, apresenta grande potencial para a produção de biomassa, com desenvolvimento vegetativo bastante vigoroso. De acordo com resultados de pesquisas, em condições ideais (em plantios de safra no período entre outubro e novembro), este material tem capacidade de produzir além de 100 toneladas de matéria verde por hectare e até 30 toneladas de matéria seca por hectare.

A cultivar pode ser utilizada tanto para a formação de palha nos sistemas de plantio direto como para a produção de alimentos, silagem e também energia. Em relação a essa última finalidade, as usinas podem realizar a queima direta em caldeira para conversão em energia térmica, utilizá-la em caldeiras de alta pressão para transformação em energia elétrica e também fazerem uso da cultivar para a produção do etanol de segunda geração, derivado da transformação da celulose em álcool.

O sorgo biomassa BRS 716 tem capacidade de atingir até seis metros em apenas 180 dias, apresenta alto teor de fibra (de 22% a 28%) e baixo teor de umidade (em torno de 50%). Possui boa sanidade, resistência ao acamamento e adaptação ampla a diferentes regiões do Brasil.

No vídeo a seguir, o pesquisador Flávio Dessaune Tardin, da Embrapa Milho e Sorgo, apresenta os diferenciais da cultivar.

Confira vídeo abaixo:


Comentários

Mais vistas da semana

No Maranhão extrativistas da amêndoa de babaçu recebem mais R$ 450 mil em subvenções

Cebola e batata ficam mais baratas nos principais mercados atacadistas

Cafés do Brasil obtêm Denominação de Origem para a Mantiqueira de Minas

Programa de melhoramento de bovinos de carne adota critérios mais objetivos e amplia análise de rebanhos

Conab realiza pesquisa para os próximos levantamentos de grãos e café em Minas Gerais