Treinamento enfatiza boas práticas agrícolas e produção sustentável e viabiliza que técnicos de Minas Gerais e Bahia propaguem conhecimentos adquiridos

 

Syngenta, FAEMG (Federação de Agricultura do Estado de Minas Gerais),SENAR/MG, FAEB (Federação de Agricultura do Estado da Bahia), SENAR/BA e a Embrapa Milho e Sorgo uniram forças para realizar um extenso e robusto treinamento com foco prioritário em boas práticas agrícolas e manejo consciente, dirigido aos técnicos, instrutores (da área de Aplicação de Defensivos e Manejo Integrado de Pragas e Doenças) e supervisores dos programas de ATeG (Fruticultura, Olericultura, Superação Brumadinho, Cafeicultura e Agronordeste), bem como do Café + Forte, que prestam apoio a produtores rurais de Minas Gerais e Bahia.

Intitulado de Boas Práticas Agrícolas na Produção Integrada, o evento aconteceu durante toda a última semana (3 a 7 de agosto), e contou com a disseminação de conhecimento e experiência de técnicos e instrutores das organizadoras, além da participação de integrantes do projeto Café + Forte da FAEMG e outros convidados das instituições.

O objetivo do encontro foi promover uma atualização e o alinhamento com os profissionais, enfatizando as melhores práticas agrícolas para uma lavoura sustentável, que integra desde a compra dos produtos até o descarte correto das embalagens vazias. Esta foi a primeira fase da atualização, com conteúdo exclusivamente teórico. Em um segundo momento, quando for viável e seguro para todos os participantes, será realizada a parte prática, de forma presencial.

Entre os temas de destaque, estavam a questão entre “risco x perigo” no uso de defensivos agrícolas, os cuidados com a saúde humana, tecnologias de aplicação, tratamento de sementes, a importância dos polinizadores, manejo integrado de pragas, doenças e plantas daninhas, e o processo regulatório de registro de produtos.

Pelos olhos de quem aprendeu

O técnico agrícola Robson Guimarães, da Embrapa Milho e Sorgo, afirmou que o treinamento foi muito enriquecedor, tanto pelo conteúdo quanto pela experiência dos palestrantes. “Os temas vistos são de extrema importância para o agro. O curso abordou assuntos que hoje geram muita discussão no meio agrícola. De um lado, ficam os agricultores, que têm o desafio de produzir e, ao mesmo tempo, ter o cuidado com o meio ambiente, ou seja, fazer uma produção consciente, preocupados com a sustentabilidade. E, do outro, estão os consumidores, que muitas vezes julgam esses produtores, ou por falta de conhecimento ou por se deixarem levar por informações infundadas.”

Robson também avaliou como positivos os conteúdos sobre saúde e segurança do trabalhador, abordando boas práticas, manejo de aplicação de defensivos, os cuidados e os critérios na hora da indicação de um produto. “Foram muito válidas as palestras sobre práticas agronômicas adotadas em relação a plantas daninhas e manejo integrado de pragas, que vêm sendo cada dia mais importantes para a agricultura em geral. Não só eu, mas acredito que todos, que tiveram a oportunidade de participar do curso, ficaram ainda mais munidos de conhecimento e informação. Com certeza, vamos tentar aplicar isso em nosso dia a dia”.

Para Virginio Goncalves, também técnico agrícola da Embrapa Milho e Sorgo, o curso abordou temas relevantes para o avanço em direção a uma agricultura mais sustentável ambiental e economicamente. “Os palestrantes apresentaram os temas de maneira muito clara e prática. Sabemos que o formato das práticas agrícolas está evoluindo rápido, buscando eficiência e menor impacto ao meio ambiente. O treinamento foi de grande valia para ficarmos alinhados às novas técnicas e à forma de pensar que devemos seguir, a fim de alcançar o que o futuro da agricultura aguarda de nós”.

As parcerias fazem o agro

Segundo Valter Brunner, diretor de Business Sustainability LATAM da Syngenta, parcerias deste tipo são fundamentais para o desenvolvimento do agronegócio brasileiro. “Sem união de forças de toda a cadeia, o agronegócio não se realiza. Temos neste treinamento uma parceria muito frutífera entre entidades e empresas representativas do agro, todas empenhadas em promover a capacitação, segurança das pessoas e resultados sustentáveis no campo”, destacou o executivo na abertura do treinamento.

Brunner também lembrou que projetos como este são de extrema importância para a Syngenta, que está sempre em busca de inovações para auxiliar o produtor rural durante toda a sua jornada. “No fim de junho, lançamos a segunda fase do nosso Plano de Agricultura Sustentável, que prioriza o enfrentamento às mudanças climáticas. Entre as metas, está a de reduzir em 50% a emissão de carbono de todas as nossas operações. Por meio deste Plano, nós também nos comprometemos a investir US$ 2 bilhões em agricultura sustentável até 2025, além de lançar duas tecnologias disruptivas a cada ano”, completou.

 Lauro Guimarães, chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia da Embrapa Milho e Sorgo, destacou que a sustentabilidade na agricultura se transformou na atualidade. “A inovação trouxe outros elementos para que agricultor possa produzir com qualidade. São novos elementos como os insumos biológicos usados para melhorar o desenvolvimento de plantas, para fazer o controle de pragas, trazendo maior sustentabilidade, agregando valor aos produtos e à imagem da agricultura”.

Guimarães sublinhou que a Embrapa atua também como mediadora de interesses de governos, associações e iniciativa privada, para que as tecnologias possam chegar aos produtores e atender as demandas existentes no campo. “Nesse sentido, essa parceria multi-institucional com Syngenta, Sistema FAEMG/SENAR MG e Sistema FAEB/SENAR BA é muito relevante. E o tema 'Boas Práticas' nos permite contribuir para que o agricultor seja valorizado em sua atividade”.

Roberto Simões, presidente do Sistema FAEMG, também ressaltou a importância das parcerias, cujo propósito final é beneficiar o produtor. “Promovemos, em parceria com a Syngenta e a Embrapa Milho e Sorgo, um encontro para trocarmos informações sobre boas técnicas e práticas na produção integrada, com o objetivo de aumentar a produtividade no campo, cada vez mais importante e indispensável nesse mercado altamente competitivo”, avaliou.

Simões enfatizou, ainda, a atuação efetiva da entidade no dia a dia do agricultor. “O Sistema FAEMG/SENAR/INAES/Sindicatos leva, metodicamente, conhecimentos e inovações aos produtores rurais, por meio de instrutores, técnicos e supervisores, que são atualizados, permanentemente, sobre tecnologias que tornam a atividade agropecuária rentável e ambientalmente correta.”

Para Humberto Miranda Oliveira, presidente do Sistema FAEB/SENAR, o treinamento fortaleceu ainda mais a missão da entidade de capacitar seus técnicos, que passam constantemente por programas de qualificação. “A parceria com a Syngenta, naturalmente, facilitou ainda mais a chegada das informações atualizadas, melhorando cada vez mais o serviço que é prestado por nossas equipes aos produtores rurais, principalmente na utilização dos insumos pelo produtor. Uma parceria onde todo mundo ganha”, destacou.

Ricardo Cunha, coordenador de programas do Sistema FAEB/SENAR, completou afirmando que o evento foi um “divisor de águas”, pois permitiu aos participantes atualizar os conhecimentos já aplicados em campo. “Os técnicos puderam assimilar novas tecnologias, e serão capazes de difundir o aprendizado adquirido nas mais diversas regiões de atuação, com as preocupações em relação a normas de segurança em atendimento à legislação, com os conhecimentos sobre as tecnologias de aplicação, a extrema importância do manejo integrado de pragas e, acima de tudo, em respeito ao ser humano e ao meio ambiente”.

Marina Torres, com Assessorias Syngenta, FAEMG e FAEB (MTb 08577/MG)
Embrapa Milho e Sorgo

Comentários

Mais vistas da semana

GEDAVE – O que é, como funciona e pontos de atenção da etapa de Cadastro

Cafés do Brasil obtêm Denominação de Origem para a Mantiqueira de Minas

Cebola e batata ficam mais baratas nos principais mercados atacadistas

No Maranhão extrativistas da amêndoa de babaçu recebem mais R$ 450 mil em subvenções

Embrapa oferta material propagativo de mandiocas de indústria para o Brasil Central