Convivendo com La Niña na agricultura


A primavera 2020, que inicia no dia 22 de setembro, será marcada pelo fenômeno La Niña, com redução no volume de chuvas até o verão. Veja a análise de Gilberto Cunha, agrometeorologista da Embrapa Trigo.

A presença do La Niña foi confirmada pelo boletim do Centro de Previsão Climática dos Estados Unidos, divulgado no dia 10 de setembro. O fenômeno geralmente está associado ao menor rendimento nos cultivos de verão, mas pode favorecer a fase final das lavouras de inverno. Problemas com chuva na colheita afetam tanto o rendimento quanto a qualidade de cereais de inverno, como trigo, cevada, aveia e outros. 

Para o agrometeorologista Gilberto Cunha, associadas ou não com La Niña, as estiagens no sul do Brasil são recorrentes. Por isso, é preciso aprender a conviver com esse fenômeno. Ele explica que, desde a década de 1970, mais de 14 estiagens, com maior ou menor intensidade, assolaram o sul do Brasil. “O impacto das estiagens não é sempre igual em todas as regiões. No Rio Grande do Sul, por exemplo, a metade sul e a região oeste, são propensas aos impactos mais severos devido a condições do ambiente”, explica Cunha.

Gilberto Cunha sugere que, em anos de La Niña, é preciso estabelecer estratégias para minimizar os impactos nos cultivos de verão, como escalonar as épocas de semeadura, diversificar o ciclo das cultivares e adotar práticas de manejo conservacionista.

Saiba mais assistindo a entrevista com o agrometeorologista:


 

Joseani Antunes (MTb 9693/RS)

Embrapa Trigo

 

Comentários

Mais vistas da semana

Embrapa apresenta primeira cultivar de uva 100% Nordestina

Centro de Manejo mais moderno e eficiente prioriza o bem-estar animal e prevê menos estresse aos animais

Brasil desenvolve seu primeiro sistema de avaliação genômica para bovinos leiteiros

Abertas as inscrições para o Simpósio on-line de Fruticultura

Rebanho bovino cresce em 2019, influenciado pelo cenário externo